Ilda Pereira treina em Guimarães

Ilda Pereira treina em Guimarães

 

A corredora portuguesa vai treinar-se com a sua equipa nos próximos três meses, na preparação para a nova época de ciclismo

A ciclista Ilda Pereira, 10.a classificada do 'ranking' mundial de maratonas UCI, espera melhorar a prestação nas participações WMS (World Marathon Series) "alcançar grandes feitos" também no XCO e na Estrada em 2017, depois de uma época com "altos e baixos".

A vimaranense atingiu o ranking mais alto da sua carreira, e da história do ciclismo feminino nacional nesta vertente do ciclismo a 25 de junho de 2016, quando subiu a 10.ª, após a presença no Campeonato do Mundo de Maratonas em Laissac, França, depois de ter estado em 5º, 8º e 13º.

Depois de dois meses a competir na Ásia, Ilda está de regresso a Guimarães e diz que, na próxima época, quer melhorar nas competições internacionais em que participou este ano e reforçar a sua posição no ciclismo feminino luso.

"No ano passado, experimentei pela primeira vez a internacionalização em BTT com vitórias nas maratonas das Filipinas e Timor, uma vitória no XCO em Timor e um segundo lugar na prova por etapas nos Himalayas, depois de em 2014 tê-lo feito pela selecção nacional. Este ano a época foi feita praticamente toda no estrangeiro e com dois objectivos: qualificação para os campeonatos da Europa e do Mundo de Maratonas e pontuação para o ranking mundial UCI no Cross Country Olímpico, já a pensar nas épocas seguintes até 2020. Assim, a corredora, recapitulou, da mais recente até à primeira prova da época, as provas que realizou: WMS NUVALI DIRTBIKE WEEKEND, Filipinas, prova que venceu em 2015 e este ano foi obrigada a abandonar ao 20km devido a problemas mecânicos; 4º lugar no XCO SIOL INTERNATIONAL MOUNTAINBIKE CHALLENGE da ASIA MTB SERIES; 2ª no 12th HERO MTB HIAMLAYA, vencendo duas de oito etapas; 3ª no Tour de Timor, terminando sempre no pódio ao longo das 5 etapas; 3ª no DownHill na prova do Timor Leste International Moutain Bike Challenge; 2ª no XCO  UCI C2 da Asia MTB Series também em Timor; a inexperiência e o nervosismo concorreram para um 40º lugar no Campeonato do Mundo de Maratonas; complicações a nível respiratório devido a alergias fizeram-na abandonar o Campeonato Nacional de Maratonas; em Sigulda, na Letónia, terminou o campeonato da Europa de Maratonas em 26º entre as Elites; 7ª em Logrosán, na Espanha, na WMS TITÁN VILLUERCAS UCI, onde já se apresentou afectada pelas alergias que, como a própria referiu “condicionaram a performance e não pode voltar a acontecer em 2017”; 20ª elite na WMS Rothaus Hegau Bike Marathon, que decorreu em Singen, Alemanha; 13ª naquela que a corredora considera a sua melhor prestação entre a “nata do ciclismo” na reconhecida WMS Roc d'Ardenne, em Houffalize, Bélgica; depois de estar nos lugares do pódio, uma queda atirou-a para o 8º posto na WMS BT Faget UCI MTB MARATHON SERIES, na Transilvânia, Roménia; “depois de um ano afastada do Cross Country Olímpico, estranhei o ritmo de corrida mas fiquei muito agradada por segurar o 2º lugar do pódio, atrás duma campeã nacional, na Napo Cup UCI Class II”; 2016 começou com uma nova experiência, uma prova em equipas por etapas, o ALGRAVE BIKE CHALLENGE S2 UCI que Ilda Pereira e Ana Rita Vigário concluiram na 5ª posição. No ano que vem, espero andar bem nestas corridas e novas de grande nível que integrarão o meu calendário e alcançar grandes feitos para a minha equipa, BTT Torcatense, para a minha cidade, Guimarães, para o meu país e para as mulheres", desejou.

Ilda Pereira considerou ainda que, apesar dos “altos e baixos” de rendimento, em 2016, e do desafio que foi correr no topo da competição, como o Campeonato do Mundo, a época permitiu tirar "ilações e lições muito positivas".

"A verdade é que me mantive todo o ano nos lugares de 'top'. Só quando a saúde faltou é que baixei o meu rendimento mas, no nível em que estou, com as condições que tenho para ir a estas provas, não me posso dar ao luxo de não alinhar (mesmo que essa fosse a decisão mais sensata pois não vou conseguir estar ao meu melhor nível naquela prova e vou aumentar um problema que me vai prejudicar nas competições seguintes). Porém, os patrocínios têm de ser honrados e sabem que o apoio foi para um determinado calendário.…”, disse.

A corredora vimaranense acrescentou que tem reunido com a equipa técnica do BTT Torcatense para definir os "objetivos para a nova época", apesar de o treinador, Bruno Magalhães, já ter começado a preparação e avançou que, para já, o arranque de época está marcado para Março com a participação na competição internacional UCI S2 Algarve Bike Challenge com a medalhada Ana Rita Vigário. “Gostei muito da experiência no ABC em 2015 mas não nos apresentamos afinadas. A organização proporciona um evento de grande qualidade e é uma honra estar de volta. Até lá é possível que vá a uma ou outra prova local não só para testar o corpo mas sobretudo porque gosto de estar com aqueles que torcem por mim!”

A ciclista vincou ainda que a época 2016 acabou muito mais tarde para ela do que o que é normal no panorama nacional onde “a maioria dos atletas já arrancou para o ciclocrosse e eu ainda agora cheguei da WMS nas Filipinas, a 12 de Novembro. Quero descansar, estar com a família e os amigos e voltar aos treinos de equipa, sobretudo com aos elementos mais jovens da formação.”

"O ciclismo tem assistido a um aumento enorme do número de praticantes. Todos andam de bicicleta e confesso que é muito bom que essas pessoas me reconheçam pelo trabalho que tenho realizado. É bom ver que me seguem não só os mais novos mas também muitos que até já estavam há muitos anos na modalidade quando cá cheguei, que me apoiam, que me desejam uma boa época", salientou.

www.facebook.com/ildapereiratleta/ 

Ilda Pereira​ não desiste mesmo após problemas mecânicos

Ilda Pereira​ não desiste mesmo após problemas mecânicos
Siol International Mountain Bike Challenge 2016

Ilda Pereira termina em 4º lugar o XCO da Asia Mountainbike Series​ num dia menos feliz para a atleta Vimaranense.
O percurso era muito exigente física e tecnicamente, endurecido pela muita lama devido às fortes chuvas das Monções que se fez sentir durante a semana.
A atleta Torcatense arrancou forte e seguiu logo junto do grupeto da frente. Logo nas primeiras zonas técnicas a Ilda conseguiu ganhar avanço e cada nova zona técnica ia-se isolando cada vez mais na liderança da corrida. Até que um problema técnico com as velocidades fez com que ficasse apenas com as velocidades mais pesadas, o que a impedia de fazer as subidas íngremes e as zonas de lama mais pesada em cima da bicicleta, tendo que correr com a mesma. Ainda parou em duas zonas técnicas mas como está em autonomia, não conseguiu que lhe resolvessem o problema. Lutou até à ultima volta terminando em 4º lugar e conquistando mais pontos para o ranking UCI.

O Torcatense agradece à organização pela forma como a acolheram e a todos os patrocinadores por terem tornado esta deslocação possível.

Ilda Pereira 2ª no 12º HERO MTB Himalaya

Ilda Pereira foi 2ª naquela que é considerada uma das mais duras corridas do Mundo, HERO MTB Himalaya, prova de BTT por etapas

A equipa Torcatense esteve na India, Himalaias, na prova mais antiga da Asia e uma das provas mais duras do Mundo. Composta por 15.000mts de acumulado positivo nas suas 8 etapas, estes divididos pelos 650km totais, a corrida percorre fantásticos trilhos, singletracks, trilhos de cavalos, atravessa rios, … na bela cordilheira dos Himalaias com todo o encanto característico da India.

Partiram de Shimla para a competição 3 riders vimaranenses, dois deles em competição Open Solo Feminino (a disputar o título de Quen of Himalaya entre 7 atletas de várias nacionalidades europeias)  e um na vertente não competitiva.  

A 1ª etapa, com 86km e com muito desnível, foi um habituar à altitude e ao clima húmido da zona, terminando Ilda Pereira em 2º e Tânia Lima em 5º lugar.

Já na 2ª etapa, esta com uma grande descida em singletrack, onde a Ilda atacou a etapa e rolou em 1º lugar, tendo perdido esta posição já na subida final onde o calor e o sol se tornaram muito intensos e a atleta ainda não acostumada foi forçada a baixar o ritmo. Tânia Lima manteve a sua 5ª posição.

A Jalori Pass na 3ª etapa é uma passagem mítica a 3200mts de altitude: começa nada mais nada menos do que com 45km de subida contínua, seguida de uma descida bastante rápida e uma nova subida final também bastante longa. Ilda geriu bem o esforço e classificou-se em 2º lugar mantendo a sua posição na geral. Tânia Lima, ainda não habituada à altitude, esforçou-se para manter a sua posição até ao final da etapa, algo alcançado.

O 4º dia foi dia de repouso para os atletas apesar de, na verdade, os nossos atletas vimaranenses se terem mantido sempre muito ativos nas visitas que realizaram às escolas locais, no contacto com os grupos de estudantese professores e com o folclore local.

De volta à competição, a 4ª etapa contou uma vez mais com umas grandes subidas iniciais e uma zona a descer muito técnica na chegada. Tanto Ilda como Tânia mantiveram as suas classificações sem alteração.

A 5ª etapa foi mais uma etapa com subidas seriamente quentes com o Sol muito forte, onde todos os atletas tiveram que gerir toda a longa etapa. As atletas Torcatenses sempre muito bem, terminaram a etapa nas mesmas posições das classificações gerais.

Já com mais de meia competição feita, Ilda Pereira partiu para a 6ª etapa confiante de dar luta à 1ª atleta, a campeão europeia de renome Catherine, e tal aconteceu, desde a 1ª subida que estiveram sempre roda na roda, terminando com a Ilda a vencer a etapa, colocando assim outra adversária na terceira posição. Tânia, mais uma vez, gerindo muito bem o seu ritmo, terminou a etapa em 5º lugar.

A 7ª etapa previa-se muito difícil, com uma passagem a subir com 7km em caminhos de cavalos. Os atletas tiveram de caminhar com a bicicleta às costas nessa longa subida, sempre com cavalos a passar e a obstruir o caminho, para além dos rebanhos de centenas de ovelhas e as sempre presentes “vacas sagradas”. A atleta Ilda Pereira perdeu bastante tempo nessa parte, mesmo assim não baixou os braços e lutou na subida e descida seguintes para chegar à frente da corrida. Apenas um engano numa passagem de um rio fez com que não pudesse chegar à linha de meta a lutar pela etapa. Tânia Lima procurou estar sempre acompanhada por outros atletas, tendo mantido a sua posição.

A última e mais pequena etapa previa-se simples mas nada disso aconteceu. A etapa tinha passagens muito técnicas e zonas bastante difíceis. Mais uma vez Ilda Pereira, confiante em terminar o HERO MTB Himalaya em 1º, partiu com a intenção de lutar pela etapa, e tal voltou a acontecer tendo terminando em Dharamshala com mais uma  vitória de etapa. Tânia Lima teve mais uma excelente etapa, gerindo muito bem o seu ritmo, terminou em 5º lugar.

Luis Lima esteve também com a equipa em ação na vertente não competitiva, aproveitando cada km para apreciar toda a beleza dos Himalaias.

Também com a comitiva Torcatense esteve como Voluntário em Mecânica o Presidente Bruno Magalhães - em ação desde que chegaram a Shimla, preparando as bicicletas dos mais de 70 atletas para a competição. Durante as etapas ele esteve nos pontos de assistência técnica e nas feed zones sempre ativo na ajuda necessária e no fim das etapas sempre muito atarefado em repor todas as bicicletas para o dia seguinte.

Esta foi uma experiência muito positiva em que se evidencia uma organização exímia! Estamos já com os olhos postos em 2017 para podermos repetir e melhorar toda esta experiência.

“More than a race, a whole life time experience:  HERO MTB Himalaya!”

Ilda Pereira 3ª elite feminina no Tour de Timor

Ilda Pereira 3ª elite feminina no Tour de Timor

A corredora Torcatense, após duas competições no fim de semana passado, XCO UCI e DHI com um 2º e um 3º lugar, respetivamente, participou no Tour de Timor, prova com 5 etapas, sendo a 1a e a última classe UCI. 
Na presente edição, as etapas do Tour de Timor caraterizaram-se por percursos algo rolantes, interrompidos por pequenos pontos de elevação, muitos estradões, muita gravilha, estradas estragadas e, em algumas etapas subidas inclinadas a iniciar e terminar.
As etapas superaram sempre os 80km de distância, percorridos debaixo de um clima caracteristicamente tropical: quente e húmido.
A corredora vimaranenses, após um fim de semana desgastante, defendeu-se com todas as suas garras, e com dois 2os lugares, um 3o, um 5o e um 4o, traz para Guimarães a medalha de bronze com um fantástico 3º lugar à geral. 
"Este ano Timor parece-me mais bonito do que há um ano atrás. As paisagens, os distritos e o calor com que os Timorenses acolheram o Tour é difícil de exprimir e, por isso, convido-vos a cá virem... Para mim é cada vez mais difícil dizer "Adeus! ""- confessou a própria. "Estou muito grata a todas as entidades envolvidas pela oportunidade que em mais um ano me deram de correr em Timor, rever e reforçar laços... The international dream team... (risos) E sinto-me muito especial por todo o apoio que o meu amigo, marido, mecânico e treinador me dá, mesmo à distância, para que estes desafios possam ser superados! "

3 3ºs para o Torcatense

BTT TORCATENSE CASA MYZÉ 3 vezes no Pódio este Domingo

Ilda Pereira aventurou-se com a sua bicicleta de XCO a fazer o DHI de Timor-Leste, terminando na 3ª posição atrás de duas atletas da Seleção Tailandesa de DH.
Já em Portugal.

O Torcatense deslocou-se à freguesia de Creixomil, em Barcelos, que recebeu este fim de semana a sétima etapa do Campeonato do Minho. 
O Torcatense Casa Myzé apresentou em prova cinco elementos; 
Luísa Erlhagen foi a primeira a entrar em prova. Esta Iniciada, sempre muito confiante e segura, demonstrou grande perícia na gincana e também uma evolução na prova em linha, na qual ainda se está a adaptar, originando assim um excelente terceiro lugar no pódio. 
Na corrida seguinte, já em Infantil, Pedro Pinto, que nos surpreende a cada dia com a grande entrega à modalidade, mostrou a sua coragem num percurso duro e técnico, finalizando em 13º. Rui Freitas, na categoria de Juvenil, acabou em 10º lugar, numa prova bem ao seu jeito e dando provas da sua aptidão e de que com dedicação conseguirá evoluir mais ainda. O Cadete Lucas Erlhagen tinha pela frente quatro voltas ao percurso. Fez um excelente arranque, debatendo-se ali com os mais rápidos, ritmo que viria a perder ao longo da prova, assegurando o 15º posto. Em Elites Femininas, Tânia Lima fez uma prova muito regular, alcançando assim o 3º lugar. 
Em conclusão, os resultados obtidos pelos atletas são fruto da sua enorme dedicação e comprovando-lhes que o esforço é sempre retribuído.